sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Atividade - Divulgação científica e jornalismo científico

Olá, turma!


Vamos pesquisar o que é jornalismo científico e o que é divulgação científica para, em seguida, elaborar um texto explicando se há diferenças/semelhanças entre ambos.
Certo? Até a próxima aula! abraços, professora Solange.

12 comentários:

Jéssica Macêdo disse...

A diferença entre Jornalismo e Divulgação científica pode ser muito pouca - ou quase nenhuma. Já que as duas modalidades têm o objetivo de compartilhar a informação.

O que as separa é o público para quem são dirigidas. No caso da divulgação científica, a partilha da informação é direcionada entre toda a comunidade científica. Cientistas, pesquisadores, orgãos de fomentos da pesquisa, empresas e afins. Com linguagem própria.

No caso do Jornalismo Científico, o público não tem o mesmo nível de linguagem científica que os especialistas da área possui. Então o factual torna-se mais importante e a linguagem é, na medida do possível, simplificada.

Gicele e Yasmini disse...

Ciência e jornalismo podem sim andar juntos. Porém, as suas divergências do que é mais importante para cada categoria, cria um desentendimento entre estas classes. O objetivo maior no jornalismo é informar. Já os cientistas buscam desvendar os diversos mistérios existentes.
Jornalismo científico é a transformação do estudo científico em informação, de forma clara e objetiva. O que leva os cientistas a alegarem a superficialidade das notícias científicas publicadas por jornalistas. Mas os jornalistas ao longo dos anos estabeleceram um compromisso de informar e estimular o público leigo a conhecer os assuntos mais complexos e técnicos.
Os jornalistas que trabalham nessa área, não devem se ater a informações factuais, mas através das suas pesquisas, desenvolver um impacto na sociedade, causando debates, despertando também o interesse dos cidadãos pelos da sociedade. Enfim, o papel do jornalista-cientista acima de tudo, é informar com ética.

Jéssica Macêdo disse...

A evolução tanto do conhecimento, das liberdades e da tecnologia é grande responsável pela divulgação científica que temos hoje. Quando as ciências passaram a fazer parte do cotidiano das pessoas, a linguagem utilizada para informar pessoas mudou. Além dos meios especializados no assunto, os outros abrem espaço fazendo uso de uma linguagem própria. Para cientistas existe a disseminação do assunto, com os termos técnico-científicos preservados. Para os leigos existe a difusão, que nada mais é que a atuação do jornalismo científico que traduz para quem não entende aquela informação.

A Ciência e o Jornalismo caminham juntos, porém, os profissionais da área divergem em diversos aspectos. O primeiro, por exemplo, produz uma investigação jornalística que leva anos a ser produzida. O segundo por sua vez, de forma rápida e sintética, leva à sociedade um texto muitas vezes mais simples que o primeiro, e de fácil entendimento. Tal situação tem causado atrito entre os profissionais.

Um segundo ponto que não pode deixar de ser abordado é a ética jornalística. Em suma, o jornalista ideal é que aquele que evita o sensacionalismo, e traz informação clara e concisa à população.

Jéssica Macêdo & Ludmila Lucas - 6º semestre

PS: no word deu 15 linhas exatas com formatação times 12 justificada

Márcia disse...

O jornalismo científico atende a uma carência de inserção da sociedade nos estudos e pesquisas científicas. Com o intuito de traduzir a linguagem especializada utilizada por pesquisadores e cientistas de forma clara e objetiva, o jornalismo científico além de divulgar a ciência deve formar a consciência coletiva do cidadão.
De acordo com Costa (2001, p.113), o Jornalismo Científico no Brasil começou com o “O Correio Braziliense”, o primeiro jornal brasileiro. As principais revistas de divulgação científica do país começaram a surgir na década de 80 como, por exemplo a “Superinteressante” (1986); a Globo Ciência (1982).
A estrutura de um texto jornalístico científico não difere do padrão jornalístico empregado nas outras áreas. Porém, a visão do jornalista que escreve sobre ciência e tecnologia deve ir além. Para Burkett (1990, p.117), o único ponto que deve aparecer em todos os textos é um “parágrafo de significância”. Ele pode estar tanto no lead como no desenvolvimento, mas precisa estar sempre presente no discurso. É nele que a história mostrará sua importância e sua ligação com o público. Ter esse “parágrafo” no texto significa valorizar o “como” e o “porquê” dos fatos, característica imprescindível à produção jornalística com foco em Ciência.
Os profissionais dessas áreas divergem em alguns pontos, como na apuração da notícia. O jornalista, por não dominar o assunto, ou simplesmente por falta de ética, recorre ao sensacionalismo que pode causar tremendos danos para a sociedade além de prejudicar o trabalho dos pesquisadores.

Nayara Young e Marcia Aranha

Caroline e Juscileia disse...

Em meio às censuras, o jornalismo cientifico teve inicio no século XVI, mas foi a partir da 1ª e 2ª Guerra mundial, que a ciência e tecnologia se intensificaram. No Brasil as atividades científicas tiveram inicio em 1808, tendo como principal jornal da época o “Correio Braziliense”. Contudo, em 1930, dando maior relevância à divulgação cientifica estava o jornal “Estado de São Paulo”. Com o avanço da internet foi possível intensificar o aprendizado sobre a ciência. O jornalista científico é a “ponte” entre a população e o cientista. Ele desperta para o debate social e conscientiza a população para temas relevantes.
A disseminação cientifica tem linguagens específicas, destinadas a um grupo seleto, já a divulgação cientifica, visa melhorar a compreensão e o despertar do público pela ciência. Mas o jornalista e o cientista divergem no conceito de agilidade. O cientista depende de um tempo maior para divulgar suas informações, enquanto o jornalista necessita de informações rápidas, o que pode acarretar em divulgações errôneas. Enfim, é preciso que o jornalista seja ético e respeite o trabalho de pesquisa, na hora de divulgar a informação.


Alunas: Juscileia Santos e Caroline Nardiane

Ana Gabriela disse...

Jornalismo e divulgação científica são dois meios com pequenas diferenças. Isto porque os dois tem o objetivo de informar. As divergências acontecem no momento em que separa o público para o qual são dirigidas. No jornalismo científico a pesquisa não é tão aprofundada como na divulgação científica, que os pesquisadores passam anos para chegar à um resultado. A linguagem também é diferente de um módulo para o outro. No jornalismo o principal foco é informar, já os pesquisadores buscam mostrar resultados de experiências. A ética jornalística deve está acima de qualquer coisa, para evitar o sensacionalismo, que é a principal causa da revolta dos pesquisadores.

Anônimo disse...

A redação jornalística voltada para a ciência iniciou-se no século XVI, quando a Igreja e o Estado censuravam o trabalho dos cientistas. Às reuniões ás escondidas foram uma alternativa encontrada pelos pesquisadores para manter uns aos outros informados sobre suas descobertas. No brasil, as atividades cientificas começaram com a corte portuguesa, em 1808, com a criação dos intitutos de ensino superior, algumas voltadas ás atividades cientificas.
Em meados de 1990, a divulgação científica chega á internet através de jornais eletrônicos, sites de pesquisa e debate, enfim. Abrindo uma nova forma de aprender ciência. Hoje a Internet é a forma mais acessivel para pesquisadores de diversas áreas.
O jornalismo Científico tem como função promover a divulgação da ciência ao homem leigo, sendo a ponte entre o cientista e o público não especializado. Entre as suas varias funções, cito a função Politico-ideológica, que se preocupa com a democratização da ciência.
A veiculação de informações científicas se classificam de duas formas: Disseminação, quando a informação é voltada à um público especializado, e Divulgação, quando voltada ao público em geral. O jornalismo científico refere-se a estratégicas e mecanismos pra veiculação de fatos voltados a ciência e tecnologia. Escrever textos científicos é, sobre tudo, traduzir informações. E traduzir áreas como medicina, tecnologia, ciências fisicas físicas, naturais entre outras. No emaranhado de fatos novos, o significado é essencial para a escolha da divulgação dos assuntos, seguindo a estruturação de textos de forma comum as outras áreas de atuação jornalisticas.
Objetivando, a ciência e o jornalismo trabalham para a melhoria da sociedade, mas as vezes ocorre de haverem divergências. Principalmente, no tocante a agilidade de cada uma das profissões, uma vez que a ciência necessita de maturação na criação de teses, e o jornalismo necessita da rapidez da veiculação das informações.
Reportar assuntos científicos exige muita ética e cuidado. Um erro na checagem de informações pode comprometer o trabalho científico, causando desde procuras por curas milagrosas até histería por informações exageradas. Por fim, a veiculação de informações científicas depende de se observar todas as facetas da ética jornalística, e assim, sendo a “ponte” do público para as novas descobertas em vários campos da ciência.

Anônimo disse...

A redação jornalística voltada para a ciência iniciou-se no século XVI, quando a Igreja e o Estado censuravam o trabalho dos cientistas. Às reuniões ás escondidas foram uma alternativa encontrada pelos pesquisadores para manter uns aos outros informados sobre suas descobertas. No brasil, as atividades cientificas começaram com a corte portuguesa, em 1808, com a criação dos intitutos de ensino superior, algumas voltadas ás atividades cientificas.
Em meados de 1990, a divulgação científica chega á internet através de jornais eletrônicos, sites de pesquisa e debate, enfim. Abrindo uma nova forma de aprender ciência. Hoje a Internet é a forma mais acessivel para pesquisadores de diversas áreas.
O jornalismo Científico tem como função promover a divulgação da ciência ao homem leigo, sendo a ponte entre o cientista e o público não especializado. Entre as suas varias funções, cito a função Politico-ideológica, que se preocupa com a democratização da ciência.
A veiculação de informações científicas se classificam de duas formas: Disseminação, quando a informação é voltada à um público especializado, e Divulgação, quando voltada ao público em geral. O jornalismo científico refere-se a estratégicas e mecanismos pra veiculação de fatos voltados a ciência e tecnologia. Escrever textos científicos é, sobre tudo, traduzir informações. E traduzir áreas como medicina, tecnologia, ciências fisicas físicas, naturais entre outras. No emaranhado de fatos novos, o significado é essencial para a escolha da divulgação dos assuntos, seguindo a estruturação de textos de forma comum as outras áreas de atuação jornalisticas.
Objetivando, a ciência e o jornalismo trabalham para a melhoria da sociedade, mas as vezes ocorre de haverem divergências. Principalmente, no tocante a agilidade de cada uma das profissões, uma vez que a ciência necessita de maturação na criação de teses, e o jornalismo necessita da rapidez da veiculação das informações.
Reportar assuntos científicos exige muita ética e cuidado. Um erro na checagem de informações pode comprometer o trabalho científico, causando desde procuras por curas milagrosas até histería por informações exageradas. Por fim, a veiculação de informações científicas depende de se observar todas as facetas da ética jornalística, e assim, sendo a “ponte” do público para as novas descobertas em vários campos da ciência.

Otavio Junior
Noturno

Ludmila disse...

Existem poucas diferenças entre Divulgação científica e Jornalismo Científico. O primeiro, se destina a divulgar ciência à população com finalidade de divulgar as próprias descobertasa, além de colaborar a inserção da sociedade em assuntos científicos. A segunda por sua vez,se destina também à informar sobre ciência. A finalidade de ambas é praticamente igual, porém, a linguagem utilizada e o canal são diferentes. Na divulgação científica, a linguagem é coloquial, enquanto no jornalismo científico, é utilizada a linguagem jornalistica e técnicas específicas para cada Meio. A abordagem e o meio de transmissão também são diferentes. Na primeira, utiliza-se uma fonte ou tema, e na segunda, se for o caso, são utilizadas várias fontes, a fim de comprovar a veracidade da informação, além de fornecer mais dados. A mídia utilizada no caso da Divulgação Científica são as mais diversas; utilizam-se livros, manuais, revistas, e os próprios meios de comunicação de massa, como TV e rádio. No jornalismo científico são utilizados somente os meios de comunicação de massa.

Ludmila Lucas Tavares
Noturno

Adriana Régila disse...

É bem complexo dizer a diferença entre Jornalismo Científico e Divulgação científica, pois elas andam juntas, mesmo sendo um pouco distintas.
Tanto o jornalismo científico como a divulgação científica, tem o dever de estimular a sociedade para que conheçam e discutam os avanços e inovações tecnológicas. Não se preocupando apenas em informar sobre ciência, mas trazendo também uma discussão a necessidade em divulgar ciência e buscando desenvolver a tecnologia, tornando a linguagem acessível para que todo o indivíduo tenha acesso á difusão do conhecimento científico, compreendendo o que é ciência e com isso aumentando a relação com a sociedade.

ana carolina disse...

O Jornalismo Científico uni o talento e a competência do profissional, em prol da tarefa de traduzir as “divulgações científicas” para a população. Contribuindo para o processo de alfabetização cientifica. Com a publicação desse tipo de jornalismo nos meios de comunicação de massa abrem portas para que os centros produtores e financiadores de ciência e tecnologia possam prestar contas à sociedade dos investimentos realizados em pesquisas em desenvolvimento.

A divulgação científica engloba o jornalismo especializado, os artigos científicos entre outras publicações a favor da democratização da ciência. Por ter bem claro seu público alvo ((pesquisadores, especialistas e os próprios cientistas) ela pode utilizar termos acadêmicos sem comprometer a compreensão do assunto.

Julciara Neves disse...

Julciara Neves
A diferença entre Divulgação Cientifica e Jornalismo Cientifico, é basicamente
a linguagem usada por jornalistas na hora de escrever seus textos. Não é necessário ser cientista para ter algum envolvimento com a ciência. No cotidiano a sociedade precisa ter contato com as inovações e pesquisas. No entanto, o que faz com que a ciência se aproxime das pessoas leigas no assunto. Hoje, por exemplo, o agronegócio é um tema bastante divulgado na mídia. Está atrelado a ciência e a tecnologia já que o homem do campo não é mais tão sem conhecimento como antigamente.
É nesse sentido, que a divulgação e o jornalismo cientifico, tem a responsabilidade de usar uma linguagem de fácil compreensão, para divulgar um novo estudo ou uma nova descoberta. E que isso seja informada para a sociedade de maneira simplificada para que todos entendam o que cientistas e jornalistas querem dizer.